terça-feira, 18 de outubro de 2016

O Escultor da Alma






Olá amigos e irmãos...

É um prazer indizível, dividir mais um singelo texto com vocês. Hoje o cerne da nossa história é o Grande Escultor, capaz de sondar as mais profundas entranhas da alma e interpretar pedidos de socorro, ainda que silenciosos.


João 4:15a "A mulher lhe disse: Senhor, da-me dessa água..."

Permita-me dar uma breve descrição do cenário que foi construído aqui...

Essa história se passa em um momento em que Jesus voltava da Judéia para a Galiléia, numa cidade samaritana chamada Sicar, um lugar conhecido por ser habitado por pessoas desprezadas e desertadas pelos judeus da época, pois eles não aceitavam os casamentos mistos dos samaritanos.

Nesse episódio das escrituras sagradas, Jesus encontra uma mulher próximo a um dos poços de Jacó, no instante em que estava com muita sede.

Naquela época havia o costume das mulheres mais novas irem buscar água nos poços de sua região, mas a nossa personagem decidiu ir ao meio dia, o que a fez encontrar com Jesus. É impressionante como toda vez que abrimos mão de nossas tradições, rotinas e conceitos, ganhamos oportunidades riquíssimas para viver experiências jamais vividas, a impressão que dá, é que a cada instante que nos apoiamos em nossas desculpas perdemos oportunidades que podem não mais existir.

Quando ela foi chegando até o poço, o homem judeu lhe pediu água. Naquele momento a mulher se utilizou de um ótimo mecanismo de defesa para refutar o pedido de Jesus, a Tradição. A tradição é uma ótima ferramenta para preservação do que é importante e precisa vencer a barreira do tempo para servir de parâmetros ao longo dos tempos, entretanto, usamos a tradição de um modo que nos permite não nos abrir para o novo, para o óbvio, para o essencial. Infelizmente o sofisma também se torna tradição, uma pessoa portadora de tradição carrega consigo uma rudeza natural, isso ficou explícito quando ela disse: "como sendo Tu um homem judeu me pede água que sou mulher samaritana?" Jo 4:9.

Jesus não nos trata conforme merecemos, Ele não nos responde no mesmo tom que perguntamos, pelo contrário, sua delicadeza e sutileza nos constrange. Com toda sabedoria que Jesus possui, responde a pergunta de um modo intrigante, Ele diz que se ela soubesse de fato quem pede água para beber, perceberia que Ele é a fonte de água viva e se bebesse dessa água, jamais teria sede novamente. Isso criou um mundo de pensamentos e reflexões na mente daquela mulher, passou a pensar o impensável, a imaginar o inimaginável, a descobrir uma nova realidade. As blandícias das palavras de Jesus entraram em sua alma, um maestro passou a redefinir o ritmo das batidas de seu coração e a desacelerar sua ofegante respiração, a doçura passou a dar sabor às suas palavras, de tal modo, que sua tréplica começa com "Senhor". Isto mesmo, a mesma mulher armada e arredia, descobre que aquele homem judeu à sua frente não era um qualquer, havia algo muito especial Nele, descobriu uma vontade incontrolável de se render a esse amor incondicional, a ponto de chamá-lo de dono (Significado de Senhor no grego), aos poucos vamos percebendo que a alma dessa jovem vai sendo esculpida.

Em sua singeleza natural, por trás de toda aspereza, ela levanta ingenuamente um argumento sem pensar muito, primeiro diz que o poço é muito fundo e depois diz que não teria como tirar água viva do poço. Toda vez que alguém tem um encontro desarmado com Jesus vive essa experiência, a medida que vai conhecendo Jesus, vai perdendo as palavras pelo meio do caminho, a razão ganha a companhia da fé, quem tentava ferir passa a ser curado, quem vivia mediante suas convicções passa obedecer a Jesus sem questionar, toda malícia se transforma em ingenuidade e mesmo Ele deixando claro que era a Fonte de água viva ela pergunta: onde, pois, tens a água viva?

Ainda tentando dispensar todos os questionamentos que resistiram a esse encontro, pergunta se Jesus era maior que o responsável pela existência do poço, Jacó. Na mente de quem enxerga Jesus como um simples homem ou um limitado profeta é comum colocá-lo ao nível de homens que marcaram a história, que foram importantes para a história humana, porém falíveis; frequentemente vemos pessoas tentando vendar a divindade de Jesus, esconder o filho de Deus no porão da falibilidade e fraqueza humana, mas como disse anteriormente, se formos até Jesus desarmados, logo perceberemos que não há nenhuma falha, nenhum pecado, nenhum sinal de fraqueza em quem era o Verbo que se fez carne e habitou entre nós (Jo 1:1), Alfa, o Ômega, o Princípio, o Fim (Ap 22:13), Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz, Maravilhoso, Conselheiro (Is 9:6), a Porta, o grande Pastor (Jo 10:10) Luz (Jo 8:12), Caminho, Verdade, Vida (Jo 14:6), Videira verdadeira (Jo 15:1), Ressurreição (Jo 11:25), o grande Advogado (1 Jo 2:1), Autor da nossa salvação (Hb 2:10), Autor da vida (At 3:15), Autor e Consumador da fé (Hb 12:2), Cabeça da igreja (Ef 1:22), razão da existência (Jo 1:3), Desejado das nações (Ag 2:7), Sumo Sacerdote (Hb 4:14), único Mediador entre Deus e o homem (1 Tm 2:5), Pão da Vida (Jo 6:35), Senhor da glória (1 Co 2:8), Senhor de todos (At 10:36), Organizador da igreja (Ef 4:11), enfim, poderia continuar a listar os atributos daquele homem ao qual a mulher samaritana acreditou ser menor que Jacó, mas como está escrito:

"Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos." Hebreus 2:9

Jesus, respeitando as limitações daquela jovem, deixa claro que, seja qualquer o mentor dos homens, ainda que saciem a sede humana temporariamente, não pode ser o fim de todas as buscas, podem até prometer um fim maior e melhor que o tangível, mas não podem ser os executores de suas promessas, podem até prometer uma vida livre e superior a que vivemos aqui nesse mundo, mas não podem entregar uma vida eterna, podem até oferecer religar o homem a Deus, mas não podem reconciliar e justificar o homem com Deus, pois só tem o poder de fazer isso, quem de fato se despiu de Sua glória eterna para viver entre nós e entregar-se por nós (2 Co 5:21 / Is 53:4-12 / Rm 8:34).

Logo em seguida Jesus faz algo que só quem é Deus pode fazer, além de prometer saciar de uma vez por todas a sede daquela mulher, ainda a autorizaria a ser um multiplicadora dessa notícia, disse que ela poderia ser um fonte de água! talvez alguns vão dizer que Jesus divide com ela Seu poder de saciar a sede humana, mas o que verdadeiramente Jesus faz aqui, é dar a essa mulher a oportunidade de ser uma fonte de água, mas que salta, que trilha um caminho para a vida eterna, isto é, a mulher, assim como todos que beberem dessa água, serão fontes que se arrastam pelos caminhos mais inóspitos, como nutrientes que invadem os corações mais inexoráveis e canções ao ouvidos mais impropérios que encontrar pela frente, levando todos em direção à vida eterna.

Talvez você, assim como aquela mulher, procurou encontrar a água que sacia em muitas fontes, pessoas, lugares ou coisas, mas que não conseguiu saciar sua sede até hoje. Permita-me dizer que só encontrará em Jesus Cristo!!! baseio essa afirmação na bíblia sagrada, livro escrito por homens inspirados por Deus, que passou por ameaças de déspotas que quiseram queimá-la, mas ainda que tivesse audácia para isso, não tiveram poder para interromper o que Deus iniciou. Não sei onde você tem baseado suas convicções, mas certamente a bíblia é um compêndio de verdades infinitamente mais eficaz que as literaturas existentes.

Termino essa reflexão com a frase daquela mulher samaritana e com o meu sincero desejo, como de alguém que bebeu dessa maravilhosa, saciável e suficiente Água, há anos encontrando pelo caminho muitas pessoas feridas, hora por quem um dia se apresentou como fonte, mas esqueceu quem o saciou um dia, hora por alguns que são ótimos guardiões de poços, porém que abrigam águas que saciam a sede momentaneamente; outros néscios precisando urgentemente saber o caminho; outros extremantes carentes e perdidos, que até mesmo por tradição, acham que sabem o caminho e outros totalmente ignóbeis, que insistem em dizer que não há nem poço, nem Jacó e muito menos Jesus (que o Pai celestial tenha misericórdia desses), enfim, que todos gritem esse pedido de socorro ao Escultor da alma: Senhor, da-me dessa água...


Ehttps://www.youtube.com/watch?v=5fcEyQWukTE